RÁDIOS
Campo Grande, 13 de julho

Pacientes aguardam quase 10 anos na fila por atendimento no SUS em Campo Grande

Deputado estadual fala de máfia da judicialização da saúde para agilizar atendimento

Por Karina Anunciato
17/06/2024 • 09h00
Compartilhar

Em abril deste ano cerca de 55 mil pessoas aguardam por algum tipo de procedimento em saúde através do Sistema Único de Saúde (SUS), em Campo Grande. Os dados foram apresentados na Assembleia Legislativa  de Mato Grosso do Sul (06), pelo deputado estadual, Pedro Pedrossian Neto (PSD). 

Em entrevista ao Jornal CBN CG, o deputado falou da necessidade de dar transparência aos encaminhamentos e ao andamento da fila que hoje tem uma média de espera de 116 meses.

“Eu fiz um levantamento no ano referente ao período de junho de 2023, a época foi constatado que estavam na fila 55 mil pessoas, cerca de 14 mil pessoas aguardavam cirurgias eletivas. Este ano eu fiz um novo levantamento, em abril de 2024, são praticamente 55 mil pessoas, e a fila para algum tipo de cirurgia subiu para 17 mil pessoas, principalmente para cirurgias ortopédicas, de coluna. O tempo de espera também aumentou, antes era cerca de 54 meses, agora são 116 meses, ou seja são quase 10 anos aguardando por atendimento”.

CBN: BANNER DIGIX 01.01 A 30.06.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com o objetivo de garantir o atendimento, o deputado chamou a atenção para a judicialização da saúde.

“A judicialização já virou uma verdadeira máfia. Como as pessoas já aprenderam que através da judicialização é fácil, a pessoa procura um médico que já fala procura um advogado tal, que já está com a petição pronta, já manda, já está com 5 vezes o preço e condena o poder público para fazer a cirurgia. Aí fica bom para todo mundo, só não fica bom para o paciente e não fica bom para o SUS". Acompanhe a entrevista.

CLIQUE AQUI e entre no canal de notícias da CBN CG

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande