RÁDIOS
Campo Grande, 18 de julho

Prefeitura de Amambai é investigada por corrupção

Ministério Público Estadual cumpriu mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão em MS e SC

Por Redação CBN/CG
16/11/2023 • 15h15
Compartilhar

A Prefeitura do Município de Amambai, cidade localizada a 354 quilômetros de Campo Grande, no sul de Mato Grosso do Sul, foi fechada nesta quinta-feira (16) por causa da Operação Laços Ocultos, deflagrada pelo Ministério Público Estadual (MPE-MS).

O Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) e o Grupo Especial de Combate à Corrupção (Gecoc) investigam a existência de uma organização criminosa voltada para a prática dos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, peculato, fraude em licitações e contratos públicos, e lavagem de dinheiro.

Foram cumpridos seis mandados de prisão preventiva e 44 mandados de busca e apreensão nas cidades de Amambai, Bela Vista e Naviraí, em MS, e em Itajaí, Santa Catarina. Dentre os alvos estão dois vereadores, quatro secretários municipais, servidores públicos e empresários.

CBN: BANNER DIGIX 01.01 A 30.06.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Dinheiro em espécie apreendido durante a Operação Dinheiro em espécie aprendido durante a Operação do MPE/MS

A Operação Laços Ocultos contou com apoio operacional de policiais militares do Batalhão de Choque, do Batalhão de Operações Especiais (Bope), do Departamento de Operações de Fronteira (DOF) e da Força Tática.

A investigação, iniciada pela 1ª Promotoria de Justiça de Amambai, aponta que, nos últimos seis anos, os valores dos contratos obtidos pelo grupo criminoso ultrapassam R$ 78 milhões.  Os nomes dos suspeitos não foram divulgados pelo MPE-MS.

Conforme levantamentos preliminares, a organização criminosa atua há anos fraudando licitações públicas que possuem como objeto a contratação de obras e serviços de engenharia no Município de Amambai e outros, principalmente por meio de empresas ligadas a familiares, com sócios até então ocultos.

Perícias de engenharia, em obras vistoriadas presencialmente pelo corpo técnico, detectaram superfaturamento e inexecução parcial, assim como análise realizada por órgão técnico do Ministério Público identificou pagamento de propina das empresas integrantes do grupo criminoso em benefício de agentes políticos e servidores públicos municipais responsáveis pela fiscalização das obras.

A prefeitura de Amambai divulgou uma nota à população afirmando que está contribuindo com as investigações, conforme segue texto abaixo.
 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Prefeitura Municipal de Amambai informa que na manhã desta quinta-feira (16/11) recebeu na sede do paço municipal uma equipe do Grupo Especial de Combate à Corrupção (GECOC) e do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO), órgãos integrantes do Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, no cumprimento de mandados de busca e apreensão, que foram realizados na Secretaria de Fazenda e nos Departamento de Licitação e de Engenharia, a fim de apurar supostas práticas ilícitas na contratação de empresas de engenharia.

Ressalte-se que os servidores municipais imediatamente franquearam o acesso a todos os órgãos, documentação e inspeção em computadores, bem como prestaram as explicações solicitadas acerca dos trâmites burocráticos para a contratação com o Poder Público Municipal, a fim de prontamente elucidar e apurar as responsabilidades por eventuais delitos em detrimento do erário municipal.

Importante salientar que não foi realizada nenhuma ação envolvendo o Prefeito Municipal, que somente teve ciência da situação ao ser informado de que a Prefeitura deveria permanecer fechada no transcorrer das diligências, colocando-se prontamente a disposição dos órgãos de fiscalização e controle para possibilitar a regular apuração dos fatos, com a finalidade precípua de resguardar e bem gerir os recursos públicos, no seu múnus de defender os interesses da população amambaiense.

Gabinete do Prefeito, 16 de novembro de 2023.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande