RÁDIOS
Campo Grande, 15 de julho

Profissionais LGBTQIAP+ falam sobre a importância da inclusão no ambiente corporativo

Quase 40% dos brasileiros na sigla preferem não se assumir no trabalho por medo de represálias, revela estudo

Por Redação CBN - CG
14/06/2024 • 18h30
Compartilhar

O início em um novo emprego é sempre de grande expectativa na carreira, mas para profissionais LGBTQIAP+ (lésbicas, gays, bissexuais, trans, queer, interssexuais, assexuais e pansexuais) o momento é ainda mais delicado, especialmente no que se refere a falar ou não sobre sua orientação sexual ou identidade de gênero. A preocupação não é à toa. Estudo realizado pelo LinkedIn mostra que 35% dos brasileiros na sigla já sofreram preconceito no trabalho e 37% preferem não se assumir por medo de represálias. 

Embora o cenário corporativo seja ainda desafiador, algumas empresas já mostram uma mudança de postura positiva, investindo cada vez mais em iniciativas que fortalecem o acolhimento e a inclusão para todos. A coordenadora administrativa do Sabin Diagnóstico e Saúde em Manaus, Camila Silva, 30 anos, passou pelo processo de descoberta da sexualidade ainda no início da carreira, mas só tornou pública sua bissexualidade 8 anos depois, quando já estava no emprego atual. 

Minha descoberta começou aos 18 anos, quando comecei minha vida profissional, mas assumi, efetivamente, quebrando todos os paradigmas, apenas aos 26, justamente no Sabin, onde senti que minha imagem profissional não seria prejudicada por eu ser quem sou”, afirma. 

CBN: BANNER DIGIX 01.01 A 30.06.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Formada em Tecnologia e Gestão da Qualidade, ela trabalhou no serviço público e no Polo Industrial de Manaus (PIM), sempre mantendo a sexualidade como um assunto intocado. Embora não tenha sofrido preconceito direto, Camila ouvia comentários preconceituosos que a faziam ‘travar’. “Eu sentia uma pressão externa. Os comentários e ‘brincadeiras’, embora não direcionadas a mim, me suscitavam vários questionamentos. O ambiente acaba sendo opressor”, reflete. 

Inclusão 

Celebrado em 28 de junho, o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+ destaca a importância de pessoas com sexualidades e identidades diversas se expressarem e comemorarem sua existência em diferentes espaços, inclusive o corporativo. Com 7 mil colaboradores em 352 unidades distribuídas de norte a sul do país, o Grupo Sabin é um exemplo de como empresas podem criar um ambiente inclusivo e acolhedor, que valoriza seus profissionais por suas qualificações e competências. 

Em 2018, a companhia criou um pioneiro Programa de Diversidade e Inclusão para promover estratégias, políticas, projetos e ações de engajamento em temas e grupos minoritários, como etnia, gênero, pessoas com deficiência, LGBTQIAP+ e gerações. 

Nos últimos cinco anos, o programa realizou várias atividades para promover a inclusão desses grupos. Um exemplo é o lançamento do Guia Sabin de Diversidade e Inclusão, em 2021. A publicação visa esclarecer conceitos, promover a reflexão, fortalecer a empatia e reforçar um ambiente aberto ao diálogo, acolhedor e livre de preconceitos. Atualmente, dados internos revelam que 12% de seus colaboradores se declaram LGBTQIAP+. 

Acolhimento

A supervisora de Patrimônio e Contas Contábeis do Sabin em Brasília, Thaís Nascimento, 34, passou por um longo processo para se entender como lésbica. Enfrentou preconceito na família e passou por terapia até entender quem é. Ela define a experiência de trabalhar no Sabin como algo “libertador”. 

Poder trabalhar sendo eu mesma me dá a certeza de que meu crescimento será avaliado pela minha competência e resultados, não por algum preconceito. Aqui, todos conhecem a minha verdadeira versão”, afirma. 

A sensação de estar em um ambiente inclusivo é também sentida pelo analista de marketing digital da companhia, Guilherme Aguiar Silva, 33. Para ele, a cultura de cuidado do Sabin faz com que todas as pessoas, independentemente das suas diferenças, sejam bem tratadas. 

Sou um homem preto, gay, e sou super bem acolhido em todas as áreas, por todo mundo. E acredito que isso não é só comigo, mas com todos os colaboradores que fazem parte da sigla. É o que tem sido feito desde que o Sabin implementou o programa de diversidade, e que tem a ver com o próprio propósito da empresa, que é inspirar pessoas a cuidar de pessoas. Começamos cuidando de quem é de dentro”, ressalta. 

Reconhecimento 

Em 2020, o Grupo Sabin foi reconhecido como a ‘Empresa do Ano’ pelo Guia Exame da Diversidade, um testemunho do seu compromisso com a valorização da diversidade e equidade. Conquistou ainda o 1º lugar na Pesquisa de Diversidade, Equidade e Inclusão do Instituto Ethos/Época Negócios. 

Em 2023, o Sabin foi eleito pelo Great Place to Work (GPTW) como a melhor empresa para trabalhar no Brasil, na Dimensão Pessoas, na categoria Saúde. “Acreditamos que apoiar a diversidade e inclusão no ambiente de trabalho não só promove um clima organizacional mais saudável, mas também contribui para o desenvolvimento pessoal e profissional de nossos colaboradores. No Sabin, valorizamos cada indivíduo e buscamos criar um espaço onde todos se sintam respeitados e valorizados. Isso é essencial para a inovação e para o fortalecimento da equipe", afirma a diretora de Pessoas do Sabin, Marly Vidal.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande