RÁDIOS
Campo Grande, 22 de julho

Acidente na mina da Vale, em Corumbá, gera alerta para entidade de classe

Registro ocorreu em período de negociação salarial e repercussão gerou discussões sobre condições de trabalho

Por Rodolfo César
19/11/2021 • 15h27
Compartilhar

O Sindicato Extrativo de Corumbá/Ladário (Sintrexcol) está acompanhando procedimentos de segurança com relação a um recente desplacamento de rocha de galeria da Mina Urucum, que é de extração de minério e administrada pela Vale. O evento, classificado como "quase acidente", ocorreu no dia 14 de outubro, pela manhã, e acabou ganhando repercussão nesta semana.

Na hora do desplacamento de rocha do teto acontecia a limpeza do minério. Ninguém ficou ferido. Conforme nota divulgada pela própria empresa e que a reportagem obteve acesso, os primeiros procedimentos realizados foram isolamento da área, paralisação da atividade e comunicação aos setores competentes para avaliar a situação. A área da mina segue fechada.

O registro foi divulgado pelo Sintrexcol no começo deste mês. O acidente acabou repercutindo porque ocorreu em um período de negociação para o reajuste salarial da categoria.

Conforme a entidade, houve abaixo-assinado feito pela Metabase Mariana, Metabase Itabira, Ferroviários de Belo Horizonte, Ferroviários ES/MG para apoiar o Sintrexcol contra acordo coletivo de trabalho 2021 proposto pela Vale. As discussões sobre esse acordo ocorreram concomitantemente à data do registro do acidente na Mina do Urucum.

"A prática nas negociações com a Vale sempre aconteceram inspiradas no respeito mútuo, transparência e num esforço coletivo para estabelecer condições de trabalho universais aos trabalhadores na mesma empresa, sem quebrar a isonomia de direitos e sem tratamentos diferenciados que estabeleçam qualquer tipo de discriminação", informou o sindicato.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande