RÁDIOS
Campo Grande, 19 de maio

Juíza leva puxão de orelhas por liberar desmatamento no Parque dos Poderes

Decisão que homologou acordo que permitiria a devastação para a construção do Palácio da Justiça foi anulada

Por Edir Viégas, colunista CBN-CG
14/05/2024 • 12h00
Compartilhar
TODAS AS PRAÇAS: BOX INTERNA NESCAU ATÉ 31.12.24

O juiz Ariovaldo Nantes Corrêa, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, anulou na semana passada sentença da juíza Elizabeth Rosa Baisch que no dia 15 de janeiro homologou acordo que permitiria o desmatamento de uma área de 18,6 hectares no Parque dos Poderes.

Na decisão, o magistrado deu um puxão de orelhas na colega, chamando a atenção para a forma atabalhoada como Elizabeth Baish homologou o acordo.

A decisão resumiu-se a apenas 11 linhas numa ação que somava 1.580 páginas na data da sentença, extremamente complexa e que tramita desde o ano de 2019.

CBN: BANNER KAMPAI 03 14.05 A 31.05.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A decisão de Ariovaldo Nantes atendeu embargos de declaração interpostos pela advogada Giselle Marques, que dentre outras considerações, demonstrou que a magistrada não tinha legitimidade para proferir a sentença através da qual o acordo foi homologado.

A decisão da juíza Elizabeth Baish só foi possível em função de manobra administrativa ilegal feita pelo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Sérgio Fernandes Martins.

Na ocasião, quando o juiz Ariovaldo Nantes estava de férias, Sérgio Martins contrariou o que estabelece o Provimento de número 314/2014, do próprio Tribunal de Justiça, que estabelece os critérios para a substituição dos juízes.

Confira na íntegra:

CLIQUE AQUI e siga nosso canal de notícias no WhatsApp.

Para sugerir pautas ou enviar vídeos e imagens, 
salve nosso número 67 9932 3500

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande