RÁDIOS
Campo Grande, 26 de junho

Marquinhos refuta "toma lá da cá" e prevê traições em alianças eleitorais

Pré-candidato ao Governo foi o participante desta segunda (16) da rodada de entrevistas da CBN Campo Grande

Por Nyelder Rodrigues
16/05/2022 • 15h30
Compartilhar

"Muitos me procuraram, mas a aliança deve ser feita só quando for boa para a população. Não faço toma lá da cá. Se for isso, não me chamem para essa mesa". A frase incisiva é de Marquinhos Trad (PSD), ex-prefeito campo-grandense e pré-candidato ao Governo do Estado, entrevistado desta segunda-feira (16) da CBN Campo Grande.

Marquinhos não veio na primeira data agendada, mas remarcou a participação para hoje, onde foi questionado sobre vários temas, que vão desde a gestão dele à frente da prefeitura de Campo Grande - a qual abdicou para se lançar ao governo - até a visita as dificuldades encontradas para se inserir no interior de Mato Grosso do Sul.

TODAS AS PRAÇAS: BANNER FORUM CBN
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na frase que abre o texto, ele respondeu ao questionamento sobre os poucos aliados que ele tem em seu entorno no momento. "Tem aliança por amor e por temor. Temor é conveniência, e a maioria das alianças que a gente vê até agora é por conveniência. Casamento por conveniência acaba em traição. Não sento na mesa para fazer negócio", destaca.

O ex-prefeito da capital sul-mato-grossense também reclamou que vem enfrentando rejeição de prefeitos e alguns vereadores no interior, algo que surge, segundo ele, por determinação "firme" do Governo do Estado. Assim, ele não é recebido nos gabinetes.

"Comunicaram vereadores que sou persona non grata, mas com o tempo a gente vai chegar lá", frisa, completando. "Eles imaginam que vão conseguir alcançar [um boicote], mas eles são os donos da verdade. São daqueles discursos que não importa o nome, a gente faz crescer de outras maneiras. Com dinheiro a gente faz a população aceitar.

A explicação sobre a situação foi encerrada ainda com um comparativo com o cenário eleitoral de 2012, em Campo Grande. Na época, o favorito a vencer o pleito era Edson Giroto, apoiado pelo Governo e pelo seu antecessor, Nelsinho Trad - irmão de Marquinhos.

Contudo, Giroto acabou indo para o segundo turno com Alcides Bernal (PP), deputado estadual desacreditado e com pouco apoio. Bernal, que ficou em segundo lugar no primeiro turno, reverteu a situação e venceu no segundo turno, com o apoio de outros candidatos. 

"Me lembra uma história de 2012, onde compraram toda a cidade e o resultado foi o que o povo queria", concluiu. Em outros trechos, Marquinhos ainda falou sobre a polarização Lula-Bolsonaro, deixando a entender que não deve escolher um lado nessa discussão.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande