RÁDIOS
Campo Grande, 22 de abril

TJMS terá energia limpa e 100% autossustentável

Órgão máximo da Justiça de Mato Grosso do Sul é pioneiro em energia limpa no Poder Judiciário

Por Fernando de Carvalho
03/04/2024 • 13h30
Compartilhar

A Usina Fotovoltaica do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul passou pela sua última vistoria na manhã de terça-feira (2). O presidente do TJMS, Des. Sérgio Fernandes Martins, foi até o local, próximo à Gameleira, para verificar a conclusão dos trabalhos de instalação do sistema fotovoltaico que faz parte da segunda etapa de implantação de energia solar para atender a todas as edificações do PJMS. A primeira etapa contemplou a instalação de 50 sistemas de geração em 49 comarcas do Estado.

Com a conclusão da usina, a capacidade de geração de energia solar do TJMS chega a 931.000 kWh, suficiente para atender ao consumo de uma cidade de quase 5.000 habitantes. Agora, 100% da eletricidade consumida pelas edificações do Judiciário em Mato Grosso do Sul será proveniente de fontes renováveis.

“Esta era a unidade que faltava para que pudéssemos completar o atendimento a todas as comarcas do Estado. Com esta usina atenderemos a comarca de Dourados, a comarca de Corumbá e todos os prédios que compõem o Poder Judiciário na capital. Além disso, haverá um excedente de energia que será utilizado para complementar aquelas comarcas que eventualmente, nada obstante tenham as placas de energia solar em seus telhados e nas coberturas dos seus estacionamentos, ainda necessitem de uma pequena quantidade de energia para estarem totalmente atendidas”, disse o Des. Sérgio Fernandes Martins.

CBN: BANNER PRONCOR - DE 22.04.2024 A  06.05.2024
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

*Com informações do TJMS

CLIQUE AQUI e siga nosso canal de notícias no Whatssap. 

Para sugerir pautas ou enviar vídeos e imagens, 
salve nosso número 
67 9932 3500

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande