RÁDIOS
Campo Grande, 18 de junho

Muita calma nessa hora!

Azambuja não tem pressa em fechar acordo com aliados para indicação do vice de Beto Pereira

Por Adilson Trindade, colunista CBN-CG
10/06/2024 • 10h00
Compartilhar

O que não faltam são pretendentes para ocupar a vaga de vice na chapa do deputado federal Beto Pereira (PSDB) na disputa pela Prefeitura de Campo Grande. Mas o ex-governador Reinaldo Azambuja, chefão do partido no estado, não está com pressa para definição do vice de Beto. Ele está negociando com muita calma e paciência para não errar na escolha. 

Azambuja está ouvindo muito as lideranças de outros partidos. Mas não sinaliza a ninguém quem poderia ser o vice de Beto. O pretendente mais conhecido é o vereador Carlão (PSB), presidente da Câmara Municipal de Campo Grande. Ele se ofereceu para ser vice. Mas não empolgou Azambuja e o seu entorno.

O MDB tem interesse, também, pela vice numa aliança com PSDB. Azambuja admite entregar a vaga para o MDB dependendo do nome indicado. Para isso, o ex-governador André Puccinelli tem de cair fora da disputa eleitoral. 

André ainda mantém sua pré-candidatura ativa até para valorizar o passe do MDB na negociação com PSDB. Ele tem dito que até o dia 15 anunciará a sua decisão de continuar ou não com seu projeto de concorrer à prefeitura.

E não são apenas os tucanos interessados na aliança com o MDB. A ex-superintendente da Sudeco, Rose Modesto (União Brasil), vem conversando com André para caminharem juntos na corrida eleitoral em Campo Grande. O sonho dela é tê-lo como vice. Mas a proposta não empolgou André.

O caminho do MDB deve ser mesmo aliança com PSDB, porque esse é o interesse de deputados e do presidente regional do partido, ex-senador Waldemir Moka.  Azambuja, no entanto, disse a seus interlocutores que só vai definir o vice em julho.

Confira a coluna na íntegra:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de CBN Campo Grande