Três Lagoas, 23 de setembro
25º C
(67) 99229-0519

Câmara realiza 1ª oitiva para apurar denúncia

Leia a coluna Observatório da edição do Jornal do Povo deste sábado

Por Redação
03/07/2021 • 08h03
Compartilhar

OITIVA
Na manhã desta quinta-feira, a Comissão de Investigação (CI) se reuniu, no plenário da Câmara Municipal de Três Lagoas, para realizar a primeira oitiva com intuito de apurar denúncia de que a vereadora Sayuri Baez teria cometido abuso de autoridade ao adentrar na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), além de filmar pacientes. A comissão é formada pelos vereadores Davis Martinelli, presidente, Jorginho do Gás, relator, e Marisa Rocha, membro. Foram ouvidos, Valdeir Miranda de Santana e Patrícia Borges da Silva, funcionários da UPA; e Antônia Lemes Rafael e Elizabeth Quintino de Oliveira Alves, funcionários da empresa Guima, que presta serviço de limpeza na UPA.

DEPOIMENTOS
Valdeir declarou que a visita da vereadora pode ter causado estresse emocional nos pacientes, pelo simples fato de alguém chegar filmando sem prévio aviso, deixando todos sem reação. Patrícia relatou que, no momento da visita, estava atendendo uma senhora e teve que parar o atendimento por alguns instantes por conta da presença da vereadora. A comissão encerrou a oitiva e anunciou que vai convidar o médico Marcelo Rodrigues e a vereadora Sayuri Baez para outro depoimento.

SECRETÁRIO
O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) designou o secretário adjunto da Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica, Flávio César Mendes de Oliveira para assumir a pasta de forma interina. A missão tem efeito retroativo a 30 de junho. O lugar está vago desde terça-feira (29), quando Sergio Murilo deixou o cargo a pedido alegando necessidade de atender um pedido do partido dele, o Podemos, que quer disputar a sucessão estadual no ano que vem. Ele ficou pouco mais de três meses na função .

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais de JPNews

VEJA MAIS